Conhecendo a verdadeira Índia

. .

Febre nacional em 2009 com a novela Caminho das Índias, muitos de nós pensamos na Índia de maneira diferente do que ela realmente é. Receio e curiosidade fazem parte das sensações que surgem ao pensarmos nesse país como destino para uma viagem – em grande parte devido ao que surge na mídia sobre ele, mas conosco os receios ficaram para trás e a curiosidade se concretizou em uma experiência verdadeira, reveladora e gratificante.

Em janeiro de 2019 a Exchange do Bem embarcou com um grupo de voluntários para o continente asiático com destino à Índia para trabalharmos em um orfanato de meninos com HIV, localizado na área rural da cidade de Jaipur.

DELHI E O TAJ MAHAL

Mas vamos por partes. Antes de começar os trabalhos, fomos nos familiarizando com o país aos poucos. A chegada ocorreu pelo aeroporto internacional de Delhi, cidade na qual ficamos hospedados por um dia e a qual fica localizada a cerca de 5 horas de Jaipur. Em Delhi fizemos um tour pelos principais templos e pontos turísticos da cidade e já nos deparamos com a primeira coisa que irá chamar a atenção dos nossos voluntários – o trânsito. Caótico e sem regras, reflete muito do é visto em outros aspectos do país como a disposição de prédios e casas sem muita organização, a distribuição de renda desigual e o planejamento urbano que parece estar em estágios iniciais em um dos países mais populosos do mundo. As buzinas incessantes logo ficaram em segundo plano e começamos a nos atentar a cada novo detalhe que ia surgindo ao longo do dia.

Ao final da tarde, seguimos de van para Agra onde passaríamos a noite em um hotel para na manhã seguinte conhecer um dos monumentos mais famosos do país e também uma das 7 maravilhas do mundo: o Taj Mahal. Já no próximo dia, o grupo acordo cedo saímos do hotel e em poucos minutos estávamos nos portões do mausoléu – que por si só já chamam a atenção de quem passa. Contando com a presença de um guia local, aprendemos sobre toda a história referente à origem, construção e morte da dinastia e do monumento que faz jus ao seu lugar entre outras 6 maravilhas. 

Quer ver de perto e saber mais sobre o Taj Mahal? Garanta sua vaga na viagem de 2020 clicando aqui! 

JAIPUR E O ORFANATO

Depois de Agra, já com alguns dias de estadia na bagagem, fomos para Jaipur onde faríamos o voluntariado. Nosso trabalho era pintar o interior de uma sala de aula em um prédio que estava sendo construído, pois a ONG local havia conseguido um terreno na área rural da cidade com mais espaço para as crianças que antes ficavam em uma casa no centro, mas muito pequena para a quantidade de jovens atendidos pelo projeto.

Algo que desde o início da viagem era perceptível, e ao chegarmos no projeto não foi diferente, era quão humildes e hospitaleiros o povo indiano é. Tanto quem tinha quanto quem não tinha nem recursos que consideramos básicos aqui no Brasil, nos recebia de braços abertos e com um sorriso no rosto – seja na acomodação, no orfanato, nas ruas ou casas, eramos muito bem acolhidos. Mas logo após a recepção pela equipe que cuida das crianças diariamente, cerca de 5 mulheres, o primeiro susto. A construção do segundo andar ainda estava em andamento e faltava acabamento em muitas partes do andar. O tempo era curto, apenas alguns dias e vimos que um outro grupo que tinha ficado algumas semanas um ano antes, havia feito pinturas lindas no primeiro piso – tínhamos que nos puxar para fazer bonito também!

Os dias eram divididos entre o projeto, atividades culturais e passeios. Pelas manhãs, quem quisesse podia participar de aulas de yoga na acomodação antes do café da manhã – janeiro faz bastante frio em Jaipur, portanto era uma boa estratégia para aquecer o corpo. Após o café, realizado no refeitório do prédio onde os voluntários que atuam em diferentes projetos na cidade ficam hospedados, o grupo se preparava para ir até o orfanato – eram 20km de distância e que demorava em torno de 40 minutos de van.

Chegando ao projeto, a maioria das crianças estavam na escola, então nos primeiros dias conversamos com os coordenadores do orfanato para entender o que eles gostariam que fizéssemos e o que poderia ser de maior utilidade em termos de pintura e renovação. Com o diálogo feito, colocamos a mão na massa (e tinta) e iniciamos os trabalhos. Cada voluntário auxiliava da maneira que podia e contribuía com os conhecimentos que tinha: alguns já acostumados com reformas na própria casa, orientavam a ordem de como lixar, revestir e pintar as paredes. Outros, habilidosos com desenhos ou caligrafia, faziam os traçados dos desenhos que seriam pintados, enquanto alguns interagiam com as crianças presentes que não estavam na escola, carregavam materiais, limpavam e ajudavam onde precisava. Aos poucos, as próprias crianças começaram a tomar interesse pelo o que estávamos fazendo lá, algumas, menos tímidas, perguntavam se podiam ajudar. Pegavam os pincéis, desenhavam nas paredes, brincavam com o grupo e participavam das atividades. A ideia era tornar o ambiente mais convidativo para as crianças ficarem na sala de aula, deixar o ambiente mais bonito e contribuir para a economia de custos do projeto com reformas.

Ao longo dos dias o trabalho foi tomando forma e o susto inicial de que talvez não conseguiríamos fazer algo à altura do que havia sido feito no primeiro andar e em tempo de concluir antes de retornar ao Brasil foi dando lugar a um sentimento de superação, alívio e orgulho pela satisfação que o projeto mostrou ao ver o resultado do trabalho concluído. 

OUTRAS ATIVIDADES

No entanto, nem tudo era trabalho! A rotina foi bem puxada, mas tínhamos tempo para atividades que nos permitiam imergir na cultura local. Durante às tardes, participamos oficinas de pintura de hena, vestimentas tradicionais, bolywood dancing, jantar na casa de uma família indiana, passeio de camelo e acampamento no deserto de Pushkar, conhecemos templos e monumentos em quatro diferentes cidades (Delhi, Jaipur, Agra e Pushkar) e tínhamos contato com outra realidade. Tudo isso contribuía para vermos um lado da Índia que, combinado com a atuação e contato com o projeto local, formava uma visão única e própria do que realmente era a Índia, sem influencias externas do que outras pessoas, jornais ou TV mostram, mas baseada nas nossas vivências e experiências diárias. 

Quero ser voluntário

Você também pode fazer parte da próxima viagem! A próxima edição será entre os dias 25 de janeiro e 9 de fevereiro de 2020. A programação completa dessa aventura e o formulário de inscrição você encontra aqui:  Viagem em grupo Índia.

Encontre seu destino

A Exchange do Bem é uma agência de intercâmbio social que conecta voluntários com diversos projetos ao redor do mundo. São mais de 50 opções na África, Ásia e América Latina para você realizar seu trabalho voluntário no exterior. Além disso, destina 10% do seu lucro para investimentos ligados à educação no Brasil.