Por que Brasil?

. .

Pouca gente sabe, mas entre os destinos mais procurados do mundo está o nosso Brasil. Com sua amplitude territorial, o país abriga não só uma diversidade de paisagens e biomas, mas também de culturas e costumes que atraem muitos viajantes. Conheça mais sobre o Brasil e torne-se um desses viajantes

Se você é daqueles que sempre que imagina uma viagem já pensa em destinos internacionais, é bom rever seus conceitos. Com 208.5 milhões de habitantes o Brasil é, segundo o IBGE o maior país em extensão territorial do hemisfério sul, nosso amado país também pode ser um destino incrível para quem busca uma nova experiência, sem ir muito longe.

Nem sempre tão valorizado por nós, brasileiros, o país do futebol, do carnaval e das belas praias é um dos destinos preferidos dos turistas estrangeiros. Só em 2017, o país recebeu 6,5 milhões de turistas, vindos, principalmente, dos vizinhos latino-americanos. O levantamento do Ministério do Turismo mostra ainda que a maior parte deles, 60%, veio em busca de lazer.

Essa procura coloca o país na lista de destinos mais procurados do mundo, de acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT). E, claro, os motivos para esse interesse todo no país são inúmeros.

Para começar, a própria OMT classificou o país como o mais propício à prática de ecoturismo do mundo! A classificação se deve porque o Brasil oferece as condições ideais para atividades como rapel, rafting, trekking e mergulho. Ainda é possível explorar as inúmeras cachoeiras e grutas espalhadas pelo país. Outro motivo são as belas praias que se multiplicam nos quase 8,5 mil km² de litoral brasileiro oferecendo infraestrutura aos viajantes de norte a sul do Brasil.

Para os viajantes mais tranquilos, também não faltam opções. Uma delas é a possibilidade de viver experiências que unem o turismo e a literatura, por exemplo. E o roteiro é extenso: vai desde a casa da poeta Cora Coralina, em Goiás, passando pela casa-museu do escritor Guimarães Rosa em Minas Gerais, por Paraty, no Rio de Janeiro, que abriga um dos eventos literários mais respeitados do mundo e encerrando na Casa de Cultura Mario Quintana, no Rio Grande do Sul.

O maior destaque do Brasil talvez seja justamente o fato de cada uma de suas regiões ser única. Tanto em gastronomia, cultura, arquitetura e história. A região Norte, por exemplo, é a área com menor número de habitantes e maior concentração de rios e florestas, a área é presenteada com paisagens preservadas e a uma biodiversidade de fauna e flora que espera visitantes de todo o mundo.

No centro-oeste do país estão as cachoeiras com águas cristalinas que são um convite para relaxar. Com uma culinária rica e que capricha no tempero, é uma região para quem busca as mais diferentes experiências. E o mesmo acontece na região sudeste, conhecida pela pulsação econômica e cultural, que vai desde o turismo religioso até a vida agitada de São Paulo.

Já o sul do Brasil é quase como colocar um pé na Europa. Com uma grande conexão com países como a Itália e a Alemanha, devido à sua colonização, os estados da região sul oferecem uma experiência de identidade brasileira. Também é por lá que é possível experimentar os diferentes climas, já que as estações do ano são bem definidas nesta região. No pacote, ainda estão incluídos muita comida, artesanato e algumas belezas impactantes, como a Cataratas do Iguaçu.

As diferenças, entretanto, não estão apenas nos aspectos culturais. Com tanta extensão, o Brasil também enfrenta há muitos anos, uma grande desigualdade social. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), feita pelo IBGE, mostram que, em 2017, uma parcela mais rica da população formada por 10% dos brasileiros possuía 43,3% da renda total do país.

Do outro lado, os 10% mais pobres detinham apenas 0,7% da renda total. Em valores, isso significa que os 1% mais ricos recebiam uma renda média de R$27.213 por mês. Isso equivale a 36,1 vezes a média recebida pela metade mais pobre da população, que ganhava R$ 754 por mês. A região nordeste é onde essa desigualdade é maior, chegando a ser de 44,9 vezes, enquanto na região sul é de 25 vezes.

A pesquisa mostrou ainda que o rendimento médio dos brasileiros caiu de 2016 para 2017. E um dos principais motivos é a crise no mercado de trabalho. No primeiro trimestre de 2018, a taxa de desemprego atingiu a média de 12,7%, também de acordo com o IBGE. Nesse período, 13,2 milhões de pessoas estavam desempregadas no Brasil, o que aumenta ainda mais a desigualdade.
E é para combater essa desigualdade que a Exchange do Bem ajuda diversos projetos sociais aqui mesmo no Brasil. Afinal, dizem que para mudar o mundo, a gente precisa começar pela nossa casa, não é!? Ao todo são quatro projetos que buscam por voluntários dispostos a auxiliar o desenvolvimento profissional de pequenos empreendedores de vilarejos na Amazônia, ajudar no desenvolvimento socioeconômico e sustentável do litoral da Bahia ou promover a educação e desenvolvimento das crianças em uma comunidade quilombola.

O objetivo dos projetos é, por meio de pequenas mudanças, promover o desenvolvimento dessas regiões mais desiguais e dar a chance de a população crescer e mostrar para o mundo as belezas naturais e culturais que habitam nosso país.

Encontre seu destino

Que tal dar uma chance para o Brasil e descobrir quão encantador pode ser nosso país? Além de uma experiência fantástica, você ainda pode ajudar a fazer da nossa terra natal um lugar mais justo e igualitário. A Exchange do Bem é uma agência de intercâmbio social que conecta voluntários com diversos projetos ao redor do mundo. São mais de 50 opções na África, Ásia e América Latina para você realizar seu trabalho voluntário no exterior. Além disso, destina 10% do seu lucro para investimentos ligados à educação no Brasil.