Devolvendo sorrisos na África do Sul

. .

.Considerada a cidade mãe da África do Sul, a Cidade do Cabo, ou Cape Town, em inglês, foi fundada em 1652 por holandeses. O objetivo era servir como rota comercial do oriente. Hoje, com cerca de 1.3 milhões de habitantes, a Cidade do Cabo é uma das mais graciosas e atraentes do país, repleta de paisagens fascinantes.

Mas, assim como muitas na África, a Cidade do Cabo, capital legislativa do país, também encara desigualdades. Enquanto uma parte da cidade serve como importante centro industrial e porto para o país, outra parte dela vive na pobreza e sem acesso a serviços básicos, como saúde e saneamento básico.

Essa é a realidade de Masiphumelele, comunidade localizada na periferia de Cape Town que enfrenta diversos problemas de infraestrutura. A história da comunidade começou na década de 1980. O nome escolhido é uma palavra xhosa – uma das línguas oficiais da África do Sul – e significa “vamos ter sucesso”. Apesar disso, a comunidade nunca chegou de fato ao sucesso.

Pelo contrário, os moradores sofrem com acomodações escassas, escolas superlotadas e uma clínica com atendimento precário, pobreza extrema e falta de acesso à água encanada. Além disso, estima-se que de 30 a 40% da população esteja infectada com o vírus HIV ou com tuberculose.

Atendimento odontológico a crianças em Masiphumelele

Foi para ajudar a população de Masiphumelele que, em 2016, a Exchange do Bem começou a atuar em diversas creches da comunidade. De lá para cá, muita coisa foi feita, mas ao mesmo tempo muitos outros problemas foram identificados. Um deles foi o fato de que diversas crianças atendidas nas creches têm cáries nos dentes. Também não há orientação de higiene bucal.

voluntariar na africa do sul

Sabendo de todos problemas que podem desencadear isso, a Exchange resolveu organizar uma viagem para Cape Town. O objetivo é levar voluntários para prestar orientação de higiene oral, entregar kits de higiene e também para aplicação tópica de flúor para evitar infecções, cáries e desgaste dos dentes.

A ação também prevê encaminhar os casos considerados críticos para clínicas locais com infraestrutura adequada. Ainda, para que tenha um impacto social duradouro, o projeto também irá instruir os coordenadores das creches sobre higiene bucal. Assim, eles podem continuar as atividades com as crianças.

Ao todo, a ideia é atender cerca de 160 crianças com idades entre 2 e 15 anos. Mas, para que isso seja possível, é preciso de voluntários! O objetivo da viagem é levar pelo menos 10 voluntários, que podem ser dentistas já formados ou estudantes de odontologia. O grupo será liderado por uma coordenadora brasileira e também contará com todo o suporte de uma equipe local.

Se você acha que pode ajudar e está aberto a ter uma grande imersão cultural, vivencie de perto a realidade de uma comunidade sul africana, embarque com a gente. Acesse nosso site, saiba mais sobre essa viagem e nos ajude a devolver esses sorrisos.

voluntariar no exterior