Entrevista com voluntária – Child Care e viagem em grupo para Gana

. .

Você tem vontade de conhecer mais sobre o voluntariado no continente Africano? Preparamos uma entrevista com nossa voluntária que participou do projeto Child Care e da viagem em grupo para Gana em janeiro de 2022. 

Antes de mais nada, cada voluntário tem uma experiência única, mesmo quando as viagens são em grupo.  

Sobre os projetos que vamos falar hoje, organizamos viagens na modalidade individual e também na modalidade em grupo. 

A Letícia participou do voluntariado em 2022, começando pela viagem em grupo e permanecendo no projeto na modalidade individual. Ela tem 24 anos e atualmente mora em Osasco, São Paulo. Para ela, o projeto foi uma experiência incrível, portanto, quis compartilhar conosco! 

Hoje vamos contar a história da Letícia através de um bate papo bem legal! Bora para as respostas dela?

Entrevista com voluntária – Child Care e viagem em grupo para Gana

1. Você se sentiu segura antes do início de seu programa? E durante?

Sim! Levei 3 anos para embarcar, em todas as vezes que entrei em contato, obtive retorno, as informações batiam, via relatos de intercambistas no Instagram, me senti super segura! 

2. O que mais te impressionou quando você chegou ao Projeto?

A recepção! Todos foram solícitos, educados, gentis, queridos, fofos, e solidificou a certeza que eu buscava. 

3. Você fez os cursos de nossa Plataforma de Formação de Voluntários? Se sim, como nosso material pré-embarque lhe ajudou no dia a dia do projeto?

Sim!  Os cursos me auxiliaram desde a impressão à chegada no destino. 
O curso socioemocional foi de extrema importância para saber como poderia ser minha postura, ter uma bagagem preparatória e sentir o gostinho do que me esperava 

entrevista voluntaria

4. Como foi o seu primeiro dia de atividades em grupo?

Foi perfeito! Eu queria fazer tudo ao mesmo tempo, com todos.  

As crianças foram extremamente receptivas e amorosas, mesmo sem entender nosso idioma, tentaram compreender, explicavam, brincavam, abraçavam.  

Trabalhamos diversas atividades, mas a melhor foi a curiosidade e paciência. 

5. Como eram as refeições durante o seu intercâmbio? O que você comia?

Eu tomava café da manhã e jantava em casa, sempre tinham 2 ou 3 frutas, salada, proteínas como ovos, frango ou peixe, e comidas nativas como massas, bolinhos de arroz, etc.  

Me alimentei super bem, e eu amava a comida, comi na rua poucas vezes e fora destes horários descritos. 

6. Quantos dias na semana você trabalhou durante seu voluntariado?

Trabalhei 5 dias por semana, de segunda a sexta-feira 

7. Quais eram as suas principais atividades e responsabilidades no voluntariado?

Atividades recreativas e interação social. 

Busquei proporcionar atividades direcionadas como: solicitar desenhos específicos, atividades elaborais, acolhê-los.  

Em dois dias cozinhei para eles batata frita e pipoca pois não conheciam… enfim, ofertar tempo de qualidade! 

8. Quais eram as suas principais atividades e responsabilidades enquanto estava sozinha no projeto? 

Quando estive sozinha no projeto, busquei aplicar atividades direcionadas como quebra cabeça, solicitar desenhos específicos, dança, atividades do desejo deles, colo, carinho, risada, músicas, e um dia específico coloquei filme no meu celular para assistirem. 

9. O que você fazia no seu tempo livre?

No meu tempo livre, eu conhecia lugares do estado.  

Viajei, visitei shopping, bares, lojinhas, restaurantes e a praia. 

10. Qual foi o ponto alto de seu intercâmbio em grupo?

Apoio físico, emocional e companhia para realizar atividades maiores, como jogar futebol, preparar comida, organizar atividades em sala de aula. 

11. Qual foi o ponto alto de seu intercâmbio enquanto estava sozinha?

O desafio.  

A experiência sozinha é um divisor de águas, a atenção individual, o sentir, experienciar com cada um é transformadora. Extremamente enriquecedor como ser humano, não tem como voltar o mesmo quando se faz um verdadeiro contato. 

12. Na sua opinião, qual a principal diferença entre ir em grupo e sozinha? 

A diferença é o acesso que você possui às pessoas e atividades.  

Em grupo você consegue desempenhar mais, tem companhias, o ambiente proporciona mais leveza, o partilhar se faz presente.  

Sozinha é desafiador, pois você oferta único e exclusivamente aquilo que tem consigo mesmo, se bem aproveitado, tudo aquilo te preenche.  

Indico para quem é desapegado e busca um crescimento sem igual! 

13. Por fim, deixe uma mensagem para os próximos que quiserem participar desses projetos.

Próximo voluntário, escrevo para você com todo meu coração.  

Não há um dia na semana que eu não me lembre do que vivi no meu intercâmbio.  

Vá de coração aberto, se entregue a cultura, ao projeto, livre de preconceitos e com o coração cheio de amor.  

Você não voltará o mesmo. Te transforma de dentro pra fora e com certeza voltará um ser humano muito melhor!  

Bem mais que uma viagem e investimento, é um divisor de águas!

entrevista voluntaria

ORFANATO EM GANA

Em 2023 e 2024 novos grupos terão a experiência transformadora de nos ajudar no orfanato que apoiamos desde 2016. Todos são bem-vindos, não há necessidade de saber outro idioma.

No país, já construímos um sistema de drenagem para um orfanato em Gana e revitalizarmos uma creche. Dessa vez, embarcamos com o propósito de ajudar em alguma obra de acordo com a necessidade no local, além de preparar atividades de recreação e dar muito amor às crianças. 

Saiba mais:

ORFANATO EM GANA | GRUPO 2023

ORFANATO EM GANA | GRUPO 2024

Ficou com vontade de saber mais e participar desse programa de voluntariado? Então conte conosco para organizar o seu intercâmbio social!