Minha baita experiência na África do Sul

. .

Em Novembro de 2017, minha amiga Ana chegou com uma proposta doida. Ela me convidou para ir até a África fazer trabalho voluntário. De início, achei que seria muito diferente pra mim, ir para os EUA me parecia mais cômodo e fácil.

Depois de conversar com meus pais, colocar a ideia na cabeça deles (e na minha também), eu topei ir! Com a ajuda da Exchange, corremos atrás dos papeis e de passagens, foi rápido, mas deu tudo certo.

Chegamos lá em Janeiro.  Pode ser clichê, mas quero afirmar desde o começo que foi a melhor viagem e experiência que tive o prazer de participar. E desde já peço desculpas, pois acho que não vou conseguir passar nesse texto nem metade da minha vivência por lá.

A casa de voluntários estava bem cheia. Diferentes nacionalidades, diferentes pessoas, já era um baita momento, uma baita vivência. Passamos por 3 dias de orientação e passeios, onde pudemos conhecer um pouco de Cape Town, um lugar incrível, com muitas belezas e coisas interessantes por todo lado.

Leia também: Qual o melhor país? Trabalho voluntário na África

Conhecendo Masiphumelele e Noordhoek

Segunda feira, nosso primeiro dia de trabalho. O lugar era Masiphumelele, uma comunidade próximo a Noordhoek (que seria como um interior de Cape Town). E lembro até hoje do rostinho de cada criança da ORANGE HOUSE (um dos projetos auxiliados pela You2Africa). Os seus cantos para todos os voluntários que chegavam “oh teacha, oh teacha” e em seguida um abraço enorme.

Eles não falam inglês, não sabiam nada sobre mim, vivem com condições bem difíceis como a falta de água na cidade, e mesmo assim estavam sorrindo, e querendo o carinho de todos nós.

O Projeto se chama “Heart For Orphans”, mas todas as crianças presentes tem família ou, pelo menos, uma mãe. Porém elas trabalham o dia inteiro para conseguir o sustento deles. Com isso  se tornam realmente  órfãos, de carinho, de afeto.

Na parte da manhã, os voluntários se dividiam nas creches parceiras . Posteriormente, já na parte da tarde, todos iam para o “Ubuntu Project”, um lugar onde as crianças mais velhas frequentavam depois das aulas para não ficarem nas ruas. Lá elas podem fazer a lição de casa, brincar ou até mesmo tocar instrumentos musicais. Por conta da idade, eles já falavam inglês e a troca de cultura era ainda mais fácil e melhor.

Os ensinamentos

Enfim, foram 3 semanas que passaram voando. Eu aprendi com cada pessoa que passou por ela, desde o vendedor do restaurante que almoçávamos, passando pelos motoristas da You2Africa. Com os voluntários que estavam na casa e ainda mais com as crianças. Que me ensinaram que um abraço apertado nunca é demais, que as meninas fazem penteados ótimos e que toda forma de amor é válida.

Leia também: Como fazer intercâmbio voluntário em 6 passos

Sei que fui apenas um “flash” na vida delas, mas elas foram um filme inteiro dentro da minha vida. Obrigada Exchange do Bem por todo suporte, You2Africa, Amigos Voluntários, Candi e sua família e todas as pessoas e crianças de Masiphumelele, você são incríveis.

Texto escrito por Vitória Regina Costa. áfrica do sul, cape town. JANEIRO DE 2018